segunda-feira, 8 de março de 2021

DIA DA MULHER | A NECESSIDADE DE AINDA HAVER ESTE DIA

 Ola


Logo eu, que me dedico a cursos e formações para o desenvolvimento e a auto-estima feminina, não poderia deixar passar este dia sem falar deste tema que me é particularmente caro.

Vou ser politicamente incorrecta, mas há pedradas que têm de ser dadas, e nunca de demiti de o fazer.

Enquanto houver necessidade de comemorar/lembrar/festejar o dia internacional da Mulher, muita trabalho há ainda por fazer.

Não há o dia internacional do homem. Está dado como assegurado que não necessitam.



Nós, mulheres não queremos ou não deveríamos querer nunca ser "iguais" aos homens. 

É uma falsa questão.

Nós somos nós!

Valemos por nós! Não necessitamos nem de comparações nem de competição.

Não é esse o objectivo.

Nós Mulheres queremos e é um direito, ter as mesmas oportunidades em tudo na vida:

Carreira, ensino, acesso ao conhecimento, saúde, casamento, opções, sexualidade, etc

Ou seja todos os direitos civis e humanos, isso sim, serem iguais para ambos os géneros. 

 E nisto há tanto a fazer quanto o que já foi feito.

Enquanto houver mulheres impedidas de aprender, mantidas na ignorância, sem opções de estado civil, sem escolha de assumir a sua sexualidade, sem direito a uma carreira, sem respeito pela sua decisão de querer ou não querer procriar, então temos ainda uma estrada sem fim para percorrer.




E sim, existem ainda milhões.

Por isso, não é dar voz às mulheres porque elas sempre tiveram voz. É permitir que essa voz seja ouvida por todos.

Enquanto a escravatura da moda, da beleza, dos padrões, ostracizar mulheres, seja em países ditos civilizados, muitos muros ainda teremos que derrubar.

Enquanto a idade duma mulher for determinante para ser ou não escolhida para certas actividades, muitas portas terão que ser derrubadas.

A resiliência e a esperança nunca morrem até que deixe de existir a última mulher.




E agora sim, vamos colocar o dedo onde dói mesmo: as religiões em geral têm muita da responsabilidade deste processo. Não falei de culpa. Falo sim de responsabilidade.

Desde que homens assumiram as religiões como império dos seus sentidos, que a mulher foi absolutamente colocada num plano inferior, pecadora, indigna...

Isto perpetuou-se no tempo e ainda tentam manter estas crenças ,como náufragos ,no atoleiro que criaram.

Nasci e cresci num país cristão. Laico, supostamente, mas católico acima de tudo.

A mulher sempre vista como a que se ajoelha, porque é indigna de se manter de pé. O homem que manda porque esse sim sabe sempre o que é melhor.

Isto é transversal a países sob domínio do Papado.


Não significa que nos outros países que se viram livres do domínio cristão não existam problemas gravíssimos a nível dos direitos humanos das mulheres. Mas convenhamos que em muito menor escala escala...

Excepção feita para os países, também religiosos, islâmicos, onde inclusivé houve, nos últimos tempos uma regressão enorme.

Não são cristãos, mas são islâmicos, e por conseguinte sob um jugo de homens que interpretam os livros sagrados à sua imagem e semelhança.







Tanta mentira, tanta má interpretação, dos livros sagrados...

Quando na verdade, aquilo que mais revelam é medo absoluto das mulheres.

È a única interpretação possível e passível de ser aceite, para mim, pois só se usa a arrogância e a prepotência quando não se é seguro, quando não se tem certezas, estrutura, verticalidade....

As armas mais baixas dum fraco são a arrogância e a prepotência para intimidar os outros e para que os outros não lhe vejam a fraqueza da qual se reveste.


Todas as religiões do mundo que colocam a mulher num patamar inferior ao do homem, que usam esse poder para manipular e destruir a condição feminina, são a deturpação completa das sagradas escrituras sejam elas quais forem.

Nenhum Deus, que criou a mulher e a fez dar à Luz seria tão esquizofrénico assim para criar um ser tão digno, capaz de criar vida, e tornar esse ser numa coisa medonha capaz da maior das repulsas.


Isto não pode sair dum Ser Divino. É impensável. Isto sai sim da mediocridade de alguns seres humanos que por medo de lhes ser exposta a acefalia que padecem, numa atitude cooperativista, assumem-se como superiores e dignos da verdade.


Chegou a hora, mais que hora, da sociedade tomar conta de si própria, da mulher assumir o seu papel no mundo. 

Nós não temos que mostrar nada. Nem demostrar. Não precisamos. Bastar SERMOS.

Porque na verdade, e todas as religiões/homens sabem disso, não há nada que se faça neste mundo em condições, que não tenha o parecer, a atitude, a presença duma mulher.

Isso é o que mais temem.

Basta olhar neste momento, e noutros também, para países governados por mulheres. 

Sabemos estabelecer prioridades. E as religiões nem sempre, (espero que nunca) sejam uma delas.



                                                        



Sou uma mulher de fé. Cada vez mais.

Mas não sou uma mulher de religiões, apesar de ter sido educada numa.

Vi a forma, o método (eficaz, diga-se), como as mulheres são mal tratadas dentro de algumas delas.

Por isso, se és MULHER e estás a ler este artigo, ELEVA A TUA VOZ, sem medo. 

SÊ MULHER! SÊ SIMPLESTEMENTE TU! 


E acima de tudo:


AMA-TE! CUIDA-TE! RESPEITA-TE!


Xi💙


www.terapiasmulherholistica.com


Sem comentários:

Publicar um comentário